Das pausas

Trocávamos mensagens enquanto o barbeiro passava a máquina três na minha cabeça.
Meus cabelos caiam sobre o texto como se fossem vírgulas,
se instalando confortavelmente entre as palavras
e foi assim que acabei separando o sujeito do seu predicado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s